Donna Summer a "Rainha da Disco Music" - SOM DO MEU TEMPO

Destaque

Home Top Ad

Post Top Ad

13.2.18

Donna Summer a "Rainha da Disco Music"

Donna Summer



A cantora e compositora Donna Summer, conhecida como a “Rainha da Disco” nasceu em 31 de dezembro de 1948, em Boston, Massachusetts. Ela morreu em 17 de maio de 2012, aos 63 anos, depois de muitos anos lutando contra o câncer.
Donna Summer nasceu Donna Adrian Gaines, em 31 de dezembro de 1948, em Boston, Massachusetts. Seu pai, Andrew Gaines, era um açougueiro e sua mãe, Mary Gaines, uma professora. Praticamente desde o momento em que aprendeu a falar, Donna começou a cantar. Sua performance de estreia aconteceu em uma igreja, aos 10 anos, quando uma cantora não apareceu, e o padre, que sabia de seu gosto pelo canto, a convidou para substituí-la, o que se tornou uma bela e comovente apresentação.


Donna estudou na Jeremiah E. Burke High School em Boston, onde estrelou os musicais da escola e era muito popular. Ela também era um pouco ecrenqueira quando adolescente, saindo às escondidas para festas, burlando as regras rígidas de seus pais. Em 1967, aos 18 anos, apenas semanas antes de se formar na escola secundária, Donna fez um teste e foi escolhida para o elenco da produção “Hair: The American Tribal Love-Rock Musical”, que seria apresentada em Munique, na Alemanha. Passando por cima das vontades de seus pais, ela aceitou o papel e voou para a Alemanha. Donna aprendeu a falar alemão fluente em algumas semanas e, depois do fim da temporada de Hair, decidiu permanecer em Munique, onde apareceu em vários outros musicai, trabalhou como cantora de apoio de estúdio e gravou fitas demo.
Em 1974, ainda em Munique, gravou seu primeiro álbum solo, “Lady of the Night”, que teve um grande hit europeu, “The Hostage”, mas não conseguiu entrar no mercado americano. Nesse mesmo ano, Donna se casou com o cantor alemão Helmuth Sommer. Ela adotou uma versão americanizada de seu sobrenome como seu nome artístico, o qual manteve mesmo após o divórcio do casal, em 1976.

Sucesso

Eu estou estabelecida. Então eu não estou preocupada em ter um hit neste momento na minha carreira.
Em 1975, Summer coescreveu e gravou uma versão demo da sedutora faixa chamada “Love to Love You Baby”, pretendendo dá-la, inicialmente, a outro artista. O produtor italiano Giorgio Moroder gostou tanto de sua versão demo que decidiu que ela própria a gravaria. A versão final, lançada nos EUA com inéditos 17 minutos, apresentava os vocais tentadoramente suaves e os gemidos sensuais de Summer – e soa sugestivo que, na verdade, muitas estações de rádio tenham recusado a tocá-la a princípio. No entanto, a faixa pioneira se transformou em uma sensação da noite para o dia, chegando à segunda posição das paradas americanas e servindo como faixa-título de seu segundo álbum. Aproveitando o sucesso de “Love to Love You Baby”, Summer lançou dois LPs em 1976: “A Love Trilogy” e “Four Seasons of Love”, ambos enormes sucessos. Em 1977, ela lançou mais dois álbuns de sucesso: “I Remember Yesterday” e “Once Upon a Time”. Em 1978, seu single “Last Dance”, da trilha sonora de “Até Que Enfim É Sexta-Feira”, ganhou um Oscar de Melhor Canção Original. 


O disco ao vivo de Summer de 1978, intitulado “Live and More”, tornou-se seu primeiro número 1 nas paradas de álbum da Billboard e, igualmente, teve também seu primeiro single número 1, “MacArthur Park”. No ano seguinte, ela atingiu o maior sucesso comercial de sua carreira com o LP “Bad Girls”, que, instantaneamente, gerou dois singles número 1, “Bad Girls” e “Hot Stuff”, fazendo de Summer a primeira artista feminina a emplacar três singles número 1 em um mesmo ano.
 Álbuns R&B
Nos anos 80, Donna abandonou por breve tempo a Disco e lançou dois álbuns R&B: “The Wanderer” (1980) e “Donna Summer” (1982). Retornando à Dance Music em 1983, ela emplacou o seu maior hit da década com “She Works Hard for the Money”. A faixa-título do seu LP, baseada em uma experiência de Summer, ao encontrar uma funcionária dormindo em um restaurante, virou uma espécie de hino feminino. No final dos anos 80, a popularidade de Summer começou a cair e ela obteve apenas mais um Top 10 durante a década: “This Time I Know It’s Real”, do álbum “Another Place in Time”, de 1989.
 Polêmicas
Donna lançou somente dois álbuns nos anos 90, “Mistaken Identity” (1991) e “Christmas Songs” (1994), que não tiveram grande impacto. Nesses anos, a artista multitalentosa também se arriscou na pintura, tendo inúmeras exposições por ano e tanto aclamação crítica quanto sucesso comercial. Ela também esteve envolvida em uma controvérsia no início dos anos 90, quando a revista New York publicou que Summer teria feito comentários homofóbicos e chamado a AIDS de epidemia da punição pelos pecados dos homossexuais. Donna negou com veemência as acusações e processou a revista por difamação. O caso acabou sendo resolvido fora dos tribunais. Summer lançou seu primeiro álbum em 14 anos, “Crayons”, em 2008.
Ela se casou com o cantor e compositor Bruce Sudano em 1980, e eles tiveram dois filhos.
 Morte
Donna Summer morreu em 17 de maio de 2012, aos 63 anos, após muitos anos de batalha contra o câncer. Conhecida como a “Rainha da Disco”, Summer será lembrada, talvez, como a maior cantora de Disco da história. Mas ela era muito mais do que isso: uma cantora de alcance incrível e cuja voz ficava confortável tanto em show tunes de língua alemã e faixas Disco atrevidas quanto em baladas gospel poderosas.
Pouco antes de sua morte, Donna declarou que sua aspiração principal da vida não estava relacionada ao canto: “O que eu almejo na minha vida, verdadeiramente, é ser amorosa”, ela disse. “E nem sempre eu consigo isso, mas esse é o meu desejo.”
fonte: https://seuhistory.com/biografias/donna-summer





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad